Simplifica. Simples, fica.
É quando a gente está junto com um monte de gente, que percebemos o quanto sentimos falta de alguém. E dói, porque você sabe que não vai ter quem substitua. E você sente falta. E a vontade de chorar vem. E você só pode respirar fundo e segurar as lágrimas, para não perceberem o quanto você é fraca.
—  Tati Bernardi.  
E quando vi eu já estava te olhando. Te querendo. Te amando. E quando eu vi já estava imaginando nosso futuro juntos, já estava imaginando os nomes dos nossos filhos, já estava me imaginando ao teu lado. E quando eu percebi já estava apaixonada, já estava com saudades, já estava pensando em você 25 horas por dia. E quando eu vi já havia orado todas as orações possíveis para te ter comigo. E quando eu vi você já estava olhando pra mim, me querendo e me amando. E quando eu vi você me disse que já havia planejado o nosso futuro, já sabia o nome que queria para os nosso filhos, e que queria sempre estar ao meu lado. E quando eu me dei conta você já estava apaixonado, já sentia saudades, já pensava em mim sem parar. E quando eu vi você havia me dito que orava todas orações possíveis para me ter contigo. Foi aí, depois do ponto “x” em que nossos corações se encontraram e entraram em sintonia, no tempo certo e na hora certa, foi somente aí que eu vi Deus agindo e nos unindo, colocando a benção dEle sobre nós, e nos querendo bem. Foi quando eu me dei conta, eu te amo, tu me ama e Deus nos ama acima de tudo. E eu quero para sempre seguir minha vida assim: eu, Deus e você!
—  Emily Tomasine  
Acho que nunca mais vamos nos gostar daquele jeito. Aquele do começo, sabe? Aquele jeito de gostar de quem ainda não se conhece.
—  Soulstripper 
Cara, ela nem quer ser bonita, mas ela é, sabe? e fica sorrindo daquele jeito absurdo, como se não soubesse o que tá fazendo com a gente.
—  Soulstripper.  
Bom… Você me tinha. Você me teve como ninguém mais teria. Mas você preferiu me deixar ir embora. Você me teve também naquela festa ridícula, lembra? Eu estava quase implorando pela sua atenção aquele dia, Stubb. Mas você tinha bebido demais pra pagar de legal para os teus amigos babacas e acabou nem me notando. Mas ainda sim, você me tinha. Eu fui sua em dezembro, no natal. E fui sua no ano novo. Você me teve no meu aniversário e também me teve na páscoa. Você me teve todos dias. Eu era sua mesmo quando não queria. Eu era sua até mesmo quando era de outra pessoa. Você me tinha, Stubb. Você me teve nas suas mãos, mas preferiu me deixar escapar. Você me tinha tanto, que quando você escolheu me perder, eu obedeci.
—  robin and stubb.
Eu queria te contar que agora não dói mais. Só que agora não importa tanto o que você vai pensar sobre isso. Queria que você soubesse que já vi nossos filmes milhares de vezes e nem chorei. Ok, chorei. Mas pelo filme, e não por você. Queria que você soubesse que tirei a poeira das nossas músicas, e que as ouço quase todos os dias. Porque elas me faziam mais falta do que você fez. Os nossos lugares não são mais nossos. Eu já voltei lá com outras pessoas, e escrevi lá outras histórias… Eu estou aprendendo a tocar violão. E a primeira música que toquei foi aquela música que era uma espécie de hino pra nós dois. Ela é tão linda… E sim, ela continua sendo muito nossa e lembrando demais você. Mas ainda sim, não dói. Você não pergunta essas coisas, mas sei que gostaria de saber. Porque te conheço. E isso não mudou. Do mesmo jeito que adivinhei as coisas ruins que você aprontaria, eu sei as coisas boas que ficaram aí em você e te fazem lembrar de mim. Porque a vida segue. Mas o que foi bonito fica com toda a força. Mesmo que a gente tente apagar com outras coisas bonitas ou leves, certos momentos nem o tempo apaga. E a gente lembra. E já não dói mais. Mas dá saudade. Uma saudade que faz os olhos brilharem por alguns segundos e um sorriso escapar volta e meia, quando a cabeça insiste em trazer a tona, o que o coração vive tentando deixar pra trás.
—  Caio Fernando Abreu.
Aí eu paro e penso: com você, só com você, eu imaginei tudo assim. Todas essas coisas de romance bonito de filme, casamento, família, viagens, cachorros, canários, papagaios. Por quê? Porque eu te amo. Porque eu te quero. Porque eu nunca senti por ninguém nada perto do que sinto por você. Porque ninguém fez com que eu me sentisse assim, entregue, na corda bamba, com esse gosto de felicidade na boca.
—  Clarissa Corrêa. 
Perca o ônibus por mim. Diga que vai esperar o próximo, mas quando o próximo passar, finja que não viu, não ouviu, não estava interessado no tempo. Quando tiver na hora de ir embora, peça com carinho pra que eu fique um pouco mais. Veja o dia virar noite em uma conversa besta e informal. Use a desculpa de que ainda é cedo ou ainda temos tempo sobrando - ainda temos nós. Deixe mil ônibus passarem, mas por favor, não me deixa passar. Fala, grita, segura com força a alça da minha bolsa, sei lá. Perde o assento principal na janela, mas não se perde de mim.
—  Capitule.
É quando a gente está junto com um monte de gente, que percebemos o quanto sentimos falta de alguém. E dói, porque você sabe que não vai ter quem substitua. E você sente falta. E a vontade de chorar vem. E você só pode respirar fundo e segurar as lágrimas, para não perceberem o quanto você é fraca.
—  Tati Bernardi. 
Você é a pessoa pra quem eu olho e penso: será que se eu pedir com jeitinho, Deus te deixa ficar comigo pra sempre?
—  Giulia Mainardi    
P